"A todos os visitantes de passagem por esse meu mundo em preto e branco lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, através das fotos de musas que emprestam suas belezas para compor esse espaço ou das notas da canção fascinante de Edith Piaf... Que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"


31.1.17


Há uma mulher dentro de mim que não é gramática decomposta nem acento circunflexo. Não é metáfora exagerada, nem vegetação espessa no limite da vírgula. Não é anáfora suada, nem rigor maiúsculo no recuo do parágrafo. Há uma mulher dentro de mim que não é periferia nem superfície transversal. Essa mulher que não outra mulher, esmaga-me as telhas no tecto da boca. Tenho-a calada e encavalitada debaixo das palavras mais fáceis de carcomer. Tenho-a cansada e regrada por cima das feridas menos custosas de sarar. Mas essa mulher que dentro de mim não me permite outra habitação que não esta, não me serena a vontade áspera de romper a madeira dos braços, de moer do úmero a lasca e da acha articular outro galho maior. Há uma mulher dentro de mim que não me reconhece como sua. Há uma mulher dentro de mim que míngua encolhida no cavo do medo. Há uma mulher dentro de mim que ama uma mulher insuficiente de si mesma.

  Alice Turvo
(photo Dolores Costello)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

30.1.17


Quase um poema de amor 

 Hoje, também os carros dançam. As casas movem-se levemente. E eu – que mudei de casa e de roupa, de cidade e de cama, de palavras… 
Eu, que mudei de música e de carro, de saudade, de quarto… Eu – que mudei de computador e de rua, de eternidade e de paisagem, de abraço e de clima… Eu – que mudei de língua e de lágrimas, de deus e de caderno, de crenças e de céu… 
Eu – que mudei de lume, que mudei de medos… Eu – que mudei de planos, de lençóis, de secretária… Eu – que mudei de óculos e de rumo, de amigos, de champô, de rituais e de supermercado… Eu – que mudei de tudo que em quase nada mudou, mudei de dentro de mim para dentro de ti, meu amor. 

  Filipa Leal
(photo Renée Perle)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

29.1.17


Dor 

Não sei quantas vezes chorei
 a boneca de papelão
 que se desfez na água 
 quando lhe dei um banho. 
 Eu não sabia que podem ser tão breves
 as coisas que abrigamos no próprio coração. 

 Graça Pires 
(photo Gladys Walton)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

28.1.17


O que me comove, passado tanto tempo, é perceber que fiz a esse disco o mesmo que faço e volto a fazer aos corpos que julgo amar:

 parti-los, muito devagar, para 
 que doam sempre um pouco mais. 

  Manuel de Freitas
(photo Gloria Swanson)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

27.1.17


Dos estilhaços 

As meninas armadas são as mais belas,
 têm no coldre uma arma
 lotada de munições, 
pronta a ser sacada em inúmeras situações. 
As meninas armadas não fazem rimas 
Dão tiros nos poemas
 e mandam autopsiar o corpo para reaverem as balas. 

 Cláudia Lucas Chéu 
(photo Louise Brooks)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

26.1.17


 Hoje estou sensível
a qualquer palavra,
a qualquer gesto
a qualquer coisa.
Hoje me limito a não dizer,
a não fazer, ou entender.
Quero somente que minha solidão,
me acalme e me diga o que melhor fazer.

 Patty Vicensotti 
(photo Greta Garbo)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

25.1.17


A música vem de ti 

A música vem de ti
promessa ainda demorada
na luz do tempo
no pó da estrada
A música vem
e chegam também
a urze e o azul
que te precedem
Serás flor na aurora branda
emoção de um lírio por dizer
pedra 
corpo 
verde e água
na tua boca calada
antes de acontecer
A música vem de ti

Edgardo Xavier
(photo Alice Prin)

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

24.1.17


Interrogação 

Um abismo imenso
(partícula de alguém)

Uma ferida aberta
(pedaço de alguém)

Uma dor perene
(alimento de alguém)

Um amor intenso
possuído por ninguém.

Joaquim Amândio Santos
(photo Fay Wray)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

23.1.17


El Vaso 

Siéntate
a la mesa.
Bebe un vaso
de agua. Saborea
cada trago.
Y piensa
en todo el tiempo
que has perdido.
El que estás perdiendo.
El tiempo
que te queda por perder.

 Roger Wolfe 
(photo Capucine)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

22.1.17


 Não te faças anunciar 
Limita - te a chegar.

Pousa o casaco com os bolsos cheios
dessa tua vida mundana,
na cadeira vazia

Descalça - te.
Não quero que os lugares onde estiveste
partilhem os passos que te trazem até mim

Hoje fico em silêncio, 
porque essas palavras já não me pertencem
E a ti também não.
Acabaram - se os porquês.

Amanhã não me acordes.
limita - te a sair pela ultima vez.

 Ruth Ministro
(photo Dorothy Lamour)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

21.1.17


a minha janela sufoca-me. no meio do corpo descubro o completo desarrumo dos pulmões. a minha janela fecha-me à chave. na tua boca sempre desenhei a pele em sequência de chamas. a minha janela é a chuva da tua saliva morna. a minha janela respira no muro da tua porta. a minha janela morta.

  Maria Quintans
(photo Sharon Tate)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

20.1.17


Não sou... 

Não sou prisioneira do tempo
Nem ancoro meus sonhos
No solo árido da minha vida medíocre.
Deixo meus olhos flutuarem
Entre céus e infernos
Que a poesia me leva.
Procuro a jóia rara
De um sorriso único
Repleto de angústia e surpresa.
Navego obscura entre
meus medos e meus desejos
sem ter certeza de nada.
Que venha a vida, então,
E penetre em mim
Como um punhal
Rasgando minhas dúvidas
Cortando as amarras
Que me prendem ao possível.
Pertenço a quem me possuir,
Sou do mundo.
Sou minha vida.
Sou o espelho do que jamais serei.

Cláudia Marczak 
(photo Mia Farrow)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

19.1.17


Mais-Menos 

Quero dizer mais
e digo: mais

Mas cada vez
digo menos
o mais que sei
e sinto

 Ana Hatherly
(photo Mae Busch)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

18.1.17


nesta noite tu estás como anúncio
 PRECISA-SE 
na página gasta da minha pele

  Vasco Gato 
(photo Tallulah Bankhead)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

17.1.17


pus a mão na boca 
para amordaçar a dor, 
mas era tão mais forte 
que mesmo a mão gritou. 

  Bénédicte Houart 
(photo Ingrid Bergman)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

16.1.17


Celestial 

Quando tentei ser santo,
queria apenas ser um santo
sem compromisso
de fazer milagres.

Seria uma espécie de santo avulso,
desses que permanecem
desconhecidos no céu
e que só vêem Deus
de muito longe,
sem direito a carro oficial.

 Álvaro Alves de Faria
(photo Eve Southern)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

15.1.17


Atônita 

Olho pro céu
nada vejo.
Olhos pros lados
ninguém.
Olho pra baixo
abismos
Olho pra trás
nem um passo
Olho além
muito além
É lá
que eu quero
estar!

Miriam Portela
(photo Romy Schneider) 

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

14.1.17


Eu 

sou o avesso
em vez de ir aprendendo
fui me desfazendo
e voltando ao começo

me livrei da fé
depois de perder a alma no negócio
perdi o amor próprio
e expulsei meu ego a pontapé

perdi a vergonha na cara
e gozei de real prazer e puro deleite
não dei às promissórias da vida o aceite
e me desfiz do que me mascara

fui deixando de lado
a solidão vazia das conversas de salão
entrei de sola com o dedo no cão
e me absolvi de todo o pecado

abandonei os jornais
doei meu gibis a um orfanato
para um asilo a TV e o rádio
e o de menos virou mais

agora tenho a mim
e comigo conto
se a morte é assim
eu estou pronto

 Antonio Thadeu Wojciechowski 
(photo Robert Taylor)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

13.1.17


Solo

vives solo
comes solo
paseas solo
duermes solo

¿no es un exceso
de ausencia?

seguramente,

pero sólo ahora
entiendo qué es
estar solo

hablas solo
escribes solo

 Raúl Ferruz 
(photo Buster Keaton)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

12.1.17


Meu endereço sou eu 
 
Queria ser sintética
mas sou prolixa
queria ser complexa
mas sou simples
queria ser moderna
mas sou antiga
queria
não quero mais
sigo
em mim
não há
outro caminho.

 Silvana Conterno
(photo Pola Negri)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

11.1.17


Os dois lados 

Deste lado tem meu corpo
tem o sonho
tem a minha namorada na janela
tem as ruas gritando de luzes e movimentos
tem meu amor tão lento
tem o mundo batendo na minha memória
tem o caminho pro trabalho.

Do outro lado tem outras vidas 
vivendo a minha vida
tem pensamentos sérios me esperando
 na sala de visitas
tem minha noiva definitiva me esperando 
com flores na mão
tem a morte, as colunas da ordem 
e da desordem.

 Murilo Mendes
(photo by Bert Hardy)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

10.1.17


Banquete

Deixei o meu coração no forno, 
é só aqueceres e tens jantar. 
O que sobrar dá ao gato. 
Eu sempre gostei do gato. 

  Raquel Serejo Martins
(photo by Nina Leen)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

9.1.17


Isto não é Paris

Isto não é Paris
 nem são cinco da tarde
 nem chove
 nem há cómicos na rua
 e tampouco nesta esquina
 desta cidade que não é Paris
 há um realejo surpreendido 
 e um pintor boémio
 e uma garrafa de vinho 
 porque às cinco da tarde
 esta cidade não é Paris
 e não existe um amor curioso
 escondido atrás da cortina 
 enquanto Edith Piaf canta
 Les amants de Paris
 Nem a recordação do Sena
 me leva as minhas memórias tristes 
 desta cidade sem noite
 nem espelhos de mel
 e não minto se disser
 que Paul Éluard saiu do meu quarto 
 com asas de melro branco
 pela janela desta cidade
 que não tem pombas nem bêbados alegres
 porque às cinco da tarde
 esta cidade não é Paris.

 Uberto Stabile 
(photo Audrey Hepburn)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

7.1.17


Grita. Grita o mais alto que puderes. Grita de modo a que todos te oiçam, por mais longe que estiverem. Grita até não haver qualquer réstia de ódio no teu corpo. Grita até o silêncio dos teus gritos vazios ser o único som a ecoar no espaço. Grita até te doerem os pulmões e sentires a cabeça a latejar. Grita até sentires que o teu coração já não passa de um inútil acessório. Grita até perderes todas as tuas forças e seres envolvida por um manto negro que te faz as pernas falhar e te puxa violentamente para baixo. Grita, grita, grita. 

 Só depois chora, 
porque ninguém ouviu os teus gritos.

  inês
(gif Ingrid Bergman)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

6.1.17


Savoir Faire

Meu gato preto ignora
que vai morrer um dia
não se agarra à vida
como eu
salta do telhado
leve como o vento
sobe ao tamarindo
e mal o arranha
não o amedronta a passagem das pontes
nem o beco escuro
nem o pérfido lacrau
meu gato preto ama
quantas gatas encontra
não se deixa apanhar
por um único amor
como eu como eu.

 Claribel Alegría
(photo Kim Novak & Pyewacket)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

5.1.17


Os sonhos de Helena

Naquela noite, os sonhos faziam fila, querendo ser sonhados, mas Helena não podia sonhá-los todos, não dava. Um dos sonhos, desconhecido, se recomendava: 
 - Sonhe-me, vale a pena. Sonhe-me, que vai gostar. Faziam fila alguns sonhos, novos, jamais sonhados, mas Helena reconhecia o sonho bobo, que sempre voltava, esse chato, e outros sonhos cômicos ou sombrios que eram velhos conhecido de suas noites voadoras.
 
  Eduardo Galeano
(photo by Francesca Woodman)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

3.1.17


Sinuosidades 

quando vi sua hesitação, eu já sabia
é que tenho jeito de moça pura
e cara de mulher vadia

por via das dúvidas, você, cauto,
convidou:
que tal um sorvete e alguns livros de poesia?

adorei a ideia
linda tarde a nossa

quando veio a noite, sugeri qual uma 
dama:
que tal uma cachaça nas curvas da cama?

pra nossa delícia, baby
meu prazer tem mais vias que suas dúvidas.

Raiça Bomfim 
(James Dean & Marilyn Monroe)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

2.1.17


Meu Herói: 

Pinto as unhas
os olhos
e o coração de preto
Encho o pulmão de fumaça e ar
esperando o dia
em que o Batman
vem me salvar.

 Greta Benitez
(photo Marie Bell)

 ¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...